Mindset Ágil para o Marketing

Imagine um extenso planejamento de Marketing, detalhado e que levou meses para ser realizado. Páginas e mais páginas de relatório cheio de tabelas e análises. Projeções financeiras e prazos. Tudo exatamente como manda um manual de plano de negócios tradicional.

Pois é. Este é o mindset que foi ensinado a muitos de nós e que ainda hoje é amplamente difundido. Mas hoje em dia, será que esses planos detalhadamente documentados são realmente necessários?

Não, a resposta é não. O Manifesto Ágil já dizia que muito mais vale se adaptar às mudanças do que seguir um plano. E principalmente no caso do Marketing, testar, medir e aprender de maneira iterativa é muito mais importante do que planos extensos embasados em hipóteses e premissas não validadas.

Assim, esse ciclo de testar, medir e aprender gerou um novo mindset dentro do Marketing. E este novo mindset tem sido chamado de Growth Hacking Marketing.

Como afirmou Aaron Ginn, um escritor e colunista sobre Growth Hacking, “o objetivo final de todo growth hacker é construir uma máquina de marketing auto-suficiente que alcance inúmeras pessoas por conta própria.”

Podemos então definir um growth hacker como alguém que pensa de maneira muito mais objetiva, focada em testes e métricas, buscando sempre  medir, de alguma forma, o alcance de suas ações. Basicamente, o growth hacker é alguém que substituiu as instruções do marketing tradicional somente pelo o que é testável, rastreável e escalável.

Quer uma prova de que isto tem funcionado? Aí vão algumas: Dropbox, Facebook, Twitter, Instagram, Uber, Groupon, Hotmail, entre muitas outras. Já tentou somar o valor atual de mercado dessas empresas? Se for tentar, sugiro que pegue uma calculadora de muitos dígitos.

Todas essas empresas, sem exceção, cresceram sem gastar grandes quantias com propaganda e ações de marketing mirabolantes. Tudo focado apenas em ações específicas, mirando sempre nos chamados “early adopters” e com foco total na qualidade do seu produto e muita criatividade.

O grande diferencial  delas é a concentração do seu tempo, seus recursos e sua energia no ciclo de melhoria contínua de seus produtos, mais especificamente no ciclo de “lean startup”.

mindset ágil marketing lean startup

Através dessas interações do lean startup, essas empresas geram melhorias reais e incrementais para seus produtos. Com um produto cada vez melhor e direcionado para o público certo, o marketing passa a ser uma consequência.

Praticar o Growth Hacking Marketing então nada mais é do que alcançar o seu público alvo de forma eficiente, extraindo métricas, informações e aprendizados visando melhorar o seu produto e fidelizar clientes.

Existem diversas técnicas muito interessantes de Growth Hacking que vale você conferir. Uma ótima leitura introdutória sobre o tema é o livro “Growth Hacking Marketing” (Ryan Holliday). Rápida, fácil e bem interessante! Além dela, outras fontes muito legais para você beber são Quora – Growth HackingGrowth HackersAndrew Chen (Growth at Uber).

Mas o principal objetivo deste post é mostrar que o Growth Hacking vai muito além de técnicas, testes e métricas. Growth Hacking é mudança de mindset! Em um mundo conectado onde muitas coisas mudam muito rápido, planejamentos engessados, inchados e caros já não funcionam mais. Você precisa ser rápido para se adaptar! Você precisa ser Ágil!

Gastar milhões em planos que não conseguem ser mensurados e rastreados de forma concreta não é eficiente. Argumentos como “adquirimos mind share” sem a apresentação concreta de retorno de valor para o negócio já  não são mais aceitos. Não podemos mais desperdiçar tanto dinheiro, tempo e energia em coisas que não agregam valor para o nosso negócio.

Praticar um marketing eficiente hoje em dia significa interações contínuas com o mercado para testar e validar de seu produto. Muito mais importante do que empurrar um produto para o mercado de massa é investir num produto cada vez melhor para seu público alvo.

Para exemplificar como até empresas muito tradicionais estão revendo sua forma de pensar o marketing, o Mc Donald’s trocou sua agência publicitária nos EUA, a agência Leo Burnett pela Omnicon. Pelo acordo, o grupo Omnicom será remunerado unicamente com base em receitas geradas por resultados específicos. Nada de bonificação por volume ou qualquer outra forma de remuneração clássica do mercado publicitário. A mensagem é clara: entregue resultados reais e mensuráveis ou saia sem um centavo.

Esqueça grandes budgets para queimar, grandes planos de marketing ou coisas assim. Get out of the building! Busque sistematizar suas interações com o mercado, colher aprendizados e melhorar o seu produto. Muitas das vezes, investir em seu produto pode ser o melhor investimento de marketing que você pode fazer. 

Autor(es)

Gustavo Moser
Gustavo Moser
Formado em Engenharia de Produção com ênfase em Empreendedorismo, pela PUC-Rio, entrou para o mundo da Agilidade em 2016 e desde então se tornou um entusiasta no assunto. Participou ativamente do desenvolvimento da área de Community & Events na Knowledge21 e é apaixonado por temas como Educação, Empreendedorismo e Facilitação. Também faz parte do comitê organizador do Regional Scrum Gathering Rio, RH Ágil Summit e Product Summit.

Comentários